Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2009

Mensagem para a Quaresma do Bispo de Aveiro, D. António Francisco dos Santos

 

Uma Igreja renovada na fidelidade e no amor  
 
Com esta saudação de S. Paulo aos cristãos de Filipos, quero saudar-vos também, amados diocesanos, e fazer-vos chegar a minha mensagem quaresmal, tendo presente a mensagem que o Santo Padre enviou a toda a Igreja.
 
 
1. "Que a graça e a paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco” (Fil 1, 2).
 Com esta saudação de S. Paulo aos cristãos de Filipos, quero saudar-vos também, amados diocesanos, e fazer-vos chegar a minha mensagem quaresmal, tendo presente a mensagem que o Santo Padre enviou a toda a Igreja. De facto, a Quaresma pretende criar condições para que Deus, por meio do Espírito Santo, forme em nós o Homem Novo, Jesus Cristo e a Igreja possa renovar-se na fidelidade e no amor.
É a Páscoa de Jesus que estamos chamados a viver, a nobreza dos seus sentimentos, a audácia dos seus gestos, a entrega corajosa da sua paixão, a alegria jubilosa da sua ressurreição.
A Quaresma surge como um tempo especial para contemplarmos o modelo de vida que Jesus nos comunica e prepararmo-nos para a celebração da sua Páscoa em nós e nas nossas comunidades familiares e cristãs. Constitui uma oportunidade privilegiada para intensificarmos a renovação da Igreja diocesana a fim de ser no mundo farol de esperança para todos e servir com desvelo os mais pobres.
A Igreja, na sua experiência secular, conserva uma rica tradição de práticas penitenciais, designadamente a oração, a esmola e o jejum. As três estão tão unidas que o Santo Padre Bento XVI pode afirmar com palavras de São Pedro Crisólogo: “O jejum é a alma da oração e a misericórdia é a vida do jejum. Portanto quem reza jejue; quem jejua tenha misericórdia. Quem, ao pedir, deseja ser atendido, atenda quem a ele se dirige. Quem quer encontrar aberto, em seu benefício, o coração de Deus, não feche o seu próprio coração a quem lhe suplica”. E das três, o Santo Padre escolhe o jejum como núcleo da sua mensagem quaresmal.
 
2. Também eu quero propor-vos, amados diocesanos, a redescoberta do valor desta prática tradicional que nos abre à fome de Deus e, hoje, revela grande actualidade em virtude das precárias condições sociais e económicas que muitas pessoas e a própria sociedade vivem.
O jejum, enquanto prática cristã, faz parte da nossa relação com Deus que cria em nós a disposição de nos abrirmos à graça da renovação, deixando tudo o que nos impede de sermos homens novos com os sentimentos de Jesus Cristo. A privação voluntária de bens e a educação para a sobriedade pretendem libertar o coração para acolher este dom e corresponder-lhe tanto individual como comunitariamente.
Quando bem vivido, o jejum ajuda a criar a unidade interior em cada um de nós, a auto-dominar-nos face a tudo o que nos pode desviar da nossa vocação cristã e a crescer na intimidade com o Senhor. Evita a dispersão e faz-nos mais pessoas. O jejum solidário expressa uma dimensão da comunhão dos santos, pois a privação voluntária e livre redunda em benefício de quem está em necessidade ou defende causas justas.
A partilha quaresmal, fruto também deste jejum solidário, será destinada em partes iguais a dois projectos de grande alcance: a construção da Casa Sacerdotal do nosso clero e a ajuda para com a Igreja irmã de Benguela que desde há vários anos partilha com Aveiro o dom dos seus sacerdotes, encontrando-se neste momento na nossa Diocese dois sacerdotes do seu presbitério. Sejamos generosos, dentro das nossas possibilidades.
 
3. Amados diocesanos, o jejum pode ajudar cada um de nós a fazer dom total de si a Deus, lembra Bento XVI, recordando uma expressiva afirmação de João Paulo II (cf. “O Esplendor da Verdade”, 21). Convido as comunidades paroquiais, os movimentos apostólicos e as instituições sócio-caritativas da Diocese a um olhar novo, com acrescida generosidade e permanente atenção, para com os mais pobres e para com aqueles que se sentem mais atingidos pelas dificuldades nascidas da presente situação económica, financeira e social.
A hora de crise que vivemos deve encontrar na Igreja e nos cristãos novas e criativas respostas de generosidade e de esperança que repartam o pão com os que têm fome e encham o nosso coração de vida. Que o medo não nos vença e que o desânimo não se sobreponha à audácia da caridade.
Façamos tudo quanto depender de nós para que as pessoas e as famílias possam descobrir na Igreja as razões maiores da sua esperança, que as ajudem a crescer em humanidade e a dar-se com alegria.
São múltiplas já as iniciativas das comunidades cristãs e da Igreja diocesana que revelam, em gestos de caridade e sinais de generosidade, o amor que Deus tem pelo seu povo e por cada um de nós.
Vamos aproveitar a Quaresma para fazermos a indispensável caminhada de renovação pessoal e comunitária que nos proporciona um encontro feliz com o Senhor ressuscitado e faz da Páscoa uma festa que não termina.  
 
 Aveiro, 15 de Fevereiro de 2009
+António Francisco dos Santos,
Bispo de Aveiro
publicado por fna-nucleodeagueda às 16:56

link do post | favorito
|

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

.posts recentes

. 62º ANIVERSÁRIO DA FNA

. Caminhada com Maria

. 23. ABRIL

. FELIZ PÁSCOA

. "Kantankye"

. SEMANA SANTA

. Eleições à vista!!!

. IX ACANAC

. "Kantankye"

. ACARÁDIO 2017 em 19. MARÇ...

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

.links

blogs SAPO